Programa promove capacitação do corpo técnico local e constrói junto com a Prefeitura o diagnóstico da cidade

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, apresentou ao embaixador João Almino, da Agência Brasileira de Cooperação, em Brasília, o projeto internacional entre a Prefeitura Municipal de Teresina e a ONU Habitat para inserção da capital piauiense no programa de Resiliência Urbana da ONU, que visa tornar as cidades mais resistentes a possíveis ameaças.

O chefe do executivo municipal esteve acompanhado pelo secretário municipal de Planejamento e Coordenação, José João Braga, e o coordenador do escritório da Prefeitura em Brasília, Erick Amorim. “Esse foi um encontro de aprovação prévia da solicitação de recurso UN-Habitat para elaboração do Plano de Resiliência para Teresina. O embaixador e a equipe da Agência Brasileira de Cooperação farão a análise do que foi apresentado”, ressaltou o secretário José João Braga.

O programa promove a capacitação do corpo técnico local e constrói junto com a Prefeitura o diagnóstico da cidade, o mapeamento de vulnerabilidade e de todos os atores envolvidos na resiliência urbana, além de dar suporte à Prefeitura para conseguir fundos e parceiros para implementação de ações para resiliência e projetos futuros. Durante dois anos, os servidores municipais passarão por treinamentos com os técnicos da ONU, que também organizarão seminários com a sociedade civil.

Os principais resultados do projeto serão obtidos na promoção da visibilidade de Teresina no cenário internacional, integração da cidade nas redes de resiliência global, maior facilidade ao acesso a fundos e parceiros internacionais, aumento da capacidade de resiliência do governo local e construção do diagnóstico e de plano de ações para resiliência da cidade, que estará mais preparada para lidar com situações de emergência.

Além disso, o projeto fará com que Teresina receba o licenciamento do programa e seja responsável por transmitir para outras cidades do Brasil a sua metodologia, agindo como facilitador e disseminador do programa no Brasil.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).