A Prefeitura de Teresina desenvolveu projeto para transformar o antigo prédio do IAPC, próximo à Praça João Luís Ferreira, no Centro da cidade, em um edifício residencial com 49 apartamentos dentro dos moldes do Programa Minha, Casa Minha Vida. Para alavancar recursos destinados à execução do projeto, o prefeito de Teresina, Firmino Filho, reuniu-se em Brasília na tarde desta terça-feira (30) com o secretário executivo do Ministério das Cidades, Silvani Pereira. Firmino estava acompanhado do secretário municipal de Planejamento e Coordenação, José João Braga, e do senador Ciro Nogueira.

A oferta destas habitações no centro de Teresina é uma das frentes de atuação da Coordenação Especial para Área Central (Novo Centro), que busca revitalizar essa parte da cidade. Os apartamentos serão oferecidos para comerciários e servidores públicos que trabalhem na região, estimulando a locomoção a pé. A coordenação também atua em outras frentes, como revitalização de calçadas, das praças e espaços públicos em geral, para tornar as imediações mais atrativas.

“Estamos buscando estruturar os projetos e captar os recursos para colocar em prática esse planejamento. Acreditamos que é importante esse incentivo para que as pessoas voltem a morar no centro, próximo do local onde trabalham. Era o que tínhamos no passado e acreditamos que isso proporcionará mais vida ao centro, que é o coração da nossa cidade. Com esse incentivo, esperamos que o mercado imobiliário se interesse em investir em moradias na região”, explica o prefeito Firmino Filho.

O prédio do IAPC é um edifício de oito pavimentos, localizado em frente à Praça João Luís Ferreira e que está abandonado há mais de quinze anos. Os apartamentos têm dois quartos, sala/cozinha, banheiro e área de serviço. De acordo com o projeto, o andar térreo será destinado para pontos comerciais que podem atender às demandas dos próprios moradores, como farmácias, padarias, academias, etc.

Durante a reunião com o ministro das Cidades, os representantes da prefeitura informaram que serão beneficiadas, no total, cerca de 50 famílias. “A ideia principal é oferecer habitações de qualidade em zonas mais estruturadas do perímetro urbano, evitando a migração de pessoas para regiões cada vez mais distantes do Centro, reduzindo o tempo e os recursos gastos com mobilidade e infraestrutura urbana”, explica a coordenadora do Novo Centro, Constance Jacob.

O esforço em tornar a distribuição da população de Teresina mais concentrada, especialmente nas regiões que já possuem infraestrutura adequada, tem sido constante nos projetos da Prefeitura. No decorrer da última década, programas de habitação do governo federal financiaram moradias a preços baixos para milhares de brasileiros, que acabaram indo morar em locais cada vez mais afastados, carecendo de equipamentos públicos como linhas de ônibus, escolas, UBSs, etc.

“Programas como o Minha Casa, Minha Vida reduziram o déficit habitacional brasileiro e viabilizaram moradia digna para pessoas de baixa renda, mas tiveram esse efeito colateral de gerar uma expansão urbana descontrolada. Agora estamos buscando inverter esse processo, trazendo novamente as pessoas para mais perto, mantendo a oferta de habitação de qualidade, mas em regiões mais inseridas no espaço urbano”, explica o secretário de Planejamento e Coordenação, José João Braga.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).