Servidoras da Agenda Teresina 2030, departamento da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação ligado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, levaram o exemplo do Observatório de Mobilidade Urbana, que está sendo implantado na capital piauiense, para um fórum de mobilidade urbana, realizado no último fim de semana no Rio de Janeiro e em São Paulo, a convite da Agência Francesa de Desenvolvimento, financiadora do projeto teresinense.

O fórum “Transição para uma Mobilidade Inclusiva e a Construção de uma Nova Cultura Urbana no Brasil” foi organizado pela agência em parceria com os estados do Rio de Janeiro, onde Teresina foi representada pela especialista em sustentabilidade e resiliência da Agenda Teresina 2030, Flávia Maia, e pela representante da Superintendência de Trânsito, Cíntia Bartz; e São Paulo, que teve a participação da coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa. Nos dois eventos foram discutidas várias questões relacionadas à mobilidade no país e as representantes teresinense foram convidadas para participar do painel sobre gestão e tarifação dos transportes urbanos, falando sobre o Observatório de Mobilidade Urbana que está sendo implantado na cidade.

O projeto prevê a formação de um comitê de observação, que terá acesso a diversos dados e relatórios sobre a operação do sistema de transportes utilizando a tecnologia de encriptação de dados conhecida como Blockchain. A intenção é tornar o sistema mais eficiente e mais atrativo para o usuário, fazendo com que seja mais interessante usar o transporte coletivo ao invés do veículo próprio, reduzindo o número de carros nas ruas e, consequentemente, a emissão de gases poluentes. A iniciativa receberá um investimento de 500 mil Euros da Agência Francesa de Desenvolvimento, que está apresentando o projeto para outras capitais como um possível modelo a ser copiado.

“É muito bom receber da agência esse reconhecimento, considerando um projeto que ainda está em fase de implantação como uma boa iniciativa para ser replicada. Os desafios para a qualidade no transporte público são grandes em todo o país, e Teresina está sendo pioneira ao utilizar a tecnologia Blockchain como uma forma de aumentar a qualidade no serviço, gerando um aumento na demanda e um benefício também na qualidade do ar”, explica Gabriela Uchôa, coordenadora da Agenda Teresina 2030 em Teresina.

O Observatório da Mobilidade foi elaborado pela equipe da Agenda Teresina 2030, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, em parceria com a Superintendência de Trânsito. A Agência Francesa escolheu a iniciativa de Teresina entre projetos de toda a América Latina.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).