Prefeitura e Sinduscon discutem revisão do Plano Diretor de Teresina

Representantes da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) e do Sindicato da Indústria de Construção Civil em Teresina (Sinduscon) reuniram-se na tarde da última quarta-feira no Palácio da Cidade. A reunião teve como objetivo discutir alguns pontos específicos da revisão do Plano de Ordenamento Territorial de Teresina (PDOT), a fim de alinhar as ideias entre o setor público e imobiliário na construção do novo plano.

Um dos principais pontos discutidos foram os critérios que serão exigidos pela Prefeitura para a construção de habitações de interesse social, que tem impacto direto na qualidade de vida da população. A proposta do PDOT é que o mercado imobiliário privilegie zonas da cidade que já possuem uma infraestrutura instalada e que, nos casos de construções em regiões mais distantes, que os construtores instalem equipamentos necessários para a população.

“Nós temos que agregar todas as construções de interesse social o mais próximo dentro de uma zona que já esteja urbanizada, com infraestrutura. A demanda por serviços é necessária a partir do momento da implantação. O que nós pretendemos é que nos locais onde forem construídas essas habitações de interesse social já tenha toda a infraestrutura no entorno, e não construir no flange da zona urbana onde a Prefeitura vai ter um custo maior para levar todos os equipamentos de transporte, saúde e educação para aquela região, e aí termina o custo ficando alto e a população pagando por isso”, explicou o secretário municipal de planejamento e coordenação, José João Braga.

O secretário também destaca a necessidade de fazer o debate em torno dessa estratégia com diversos setores da sociedade civil, fazendo da revisão do PDOT um trabalho conjunto. “É importante criarmos o Plano Diretor juntamente em contato com toda a cidade, com organizações como o Sinduscon, que é um dos órgãos que faz o crescimento da cidade”, afirma.

A Semplan, após diversas audiências públicas e reuniões com setores específicos da sociedade civil, elaborou a primeira versão da minuta de lei do PDOT, disponível no site da própria secretaria. A equipe responsável está recebendo sugestões para alterações nessa primeira versão até o próximo dia 30 de setembro e posteriormente lançará um relatório com os motivos para adesões ou não das proposições feitas. A ideia é que até o dia 15 de outubro seja divulgada uma nova versão da minuta de lei, que será deliberada em audiência pública em novembro e posteriormente enviada para a Câmara de Vereadores. Por isso a importância do debate entre os atores envolvidos nesse momento.

“A ideia é que, antes de termos uma nova minuta de lei, a gente consiga entrar em um meio termo entre a estratégia que a Prefeitura quer, de adensar os corredores, de trazer habitação mais próximo para onde tem infraestrutura, mas também de fazer com que o setor imobiliário abrace a causa sem perder na questão econômica. Então queremos um meio termo entre o que é estrategicamente equilibrado e o que é economicamente viável”, explica a secretária executiva de planejamento urbano da Semplan, Jhamille Almeida.

Para Francisco Reinaldo, presidente do Sinduscon, as reuniões têm sido produtivas na busca pela concordância das ideias. “São reuniões técnicas onde estão sendo discutidos assuntos que geraram muitas dúvidas, mas estamos chegando a um consenso. Existe um bom senso da própria Prefeitura de que muita coisa pode ser melhorada e as ideias estão convergindo para isso. Os interesses são comuns, da Prefeitura de cuidar bem da cidade e nós como investidores também temos essa percepção, de que a cidade pode ser melhorada e a intenção dessa nova lei é essa”, finalizou.

Metahackaton: alunos propõem que usuários do transporte público tenham desconto em eventos

A maratona Metahackaton, encerrada no Parque da Cidadania depois de três dias de palestras e tour pela administração municipal, revelou propostas elaboradas por estudantes para serem aplicadas na cidade. A vencedora da maratona foi o THEcop, que prevê a utilização de uma espécie de programa de pontos no transporte público. Pela proposta, quanto maior o tempo gasto nas viagens, mais pontos acumulados pelo usuário, que poderia trocar por descontos em eventos culturais.

“A ideia é organizar e separar os dados dos usuários, com cada carteira funcionando como uma identidade própria, para saber quanto cada pessoa está usando o transporte público e transformar essas horas de uso em pontuação para que essa pessoa tenha acesso mais fácil, por exemplo, a eventos culturais”, explica a estudante Caroline Arabela, uma das integrantes do grupo vencedor.

A estudante conta que eventos como o Metahackaton são importantes para oferecer uma visão diferenciada do que é apresentada dentro de sala de aula, com mais detalhes e mais desafios reais para resolver, dando uma ideia da dificuldade para colocar boas ideias do urbanismo fora do papel, transformando a cidade na prática.

“Na universidade nós temos uma introdução ao urbanismo, e esse evento nos deu uma vivência real. Nós acreditávamos entender o quanto era complicado, mas percebemos ainda mais durante a produção do projeto final. Acredito que acrescentou demais a minha noção quanto ao urbanismo”, diz ela.

O evento

O Metahackaton foi organizado pela Agenda Teresina 2030, setor vinculado à Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) e responsável por orientar ações da Prefeitura em torno dos objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU. Durante três dias, os estudantes assistiram diversas palestras relacionadas à gestão pública, além de conhecerem diversos setores da administração municipal.

“A gente termina esse evento com um sentimento de encantamento. Foram três dias de trabalho muito intensivo, uma imersão profunda desses jovens na prefeitura, nos problemas da cidade e nos desafios para o desenvolvimento sustentável. Eles trazem renovação, engajamento, e vontade de inovar com ideias tão boas que encantaram todas as secretarias parceiras com quem a gente trabalhou”, explica a coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa.

“Eventos como esse são importantes para tornar a Prefeitura mais perto da população, nesse caso, dos estudantes, que passaram a ter uma noção melhor dos desafios que enfrentamos para desenvolver a cidade e puderam também trazer novas ideias”, completa o secretário de planejamento, José João Braga.

Equipe do Lagoas do Norte discute destinação adequada de lixo com comunidade

Neste final de semana, a equipe da Unidade de Proteção Socioambiental (UPS) do Programa Lagoas do Norte realizou uma roda de conversa com moradores próximos a Escola Municipal José Nelson de Carvalho, localizado no bairro Parque Alvorada, zona norte de Teresina. A escola vem sofrendo com o lixo acumulado em uma rua lateral, que tem causado sérios prejuízos aos alunos. A ação foi oganizada visando conscientizar a comunidade sobre os riscos causados pela destinação incorreta do lixo.

“Nossa preocupação surgiu a partir do momento em que o problema passou a incomodar os alunos, a escola e a comunidade. A roda de conversa surge a partir da necessidade do planejamento com a comunidade. Nós pensamos como a população pode nos ajudar nesse processo, pois é para ela que desenvolvemos atividades dessa natureza, para melhorar a qualidade de vida da região”, ressaltou Márcia Alencar, educadora ambiental e técnica em saneamento do Programa Lagoas do Norte.

Na oportunidade, foram apresentadas propostas para a população ocupar o espaço ocioso que está se transformando em um lixão. Alternativas como canteiros fitoterápicos, oficinas profissionalizantes, renovação da praça para atividades físicas e de lazer foram apresentadas. A ocupação do espaço com políticas públicas afirmativas são feitas para contribuir com o processo de qualidade do ambiente, junto com todos os fatores que englobam a comunidade.

Marcilene Almeida, de 15 anos, é aluna do 9º ano da escola. Ela enfatiza os problemas que são causados por conta do lixo depositado na lateral da escola. “Para nós é muito ruim. O mau cheiro é muito grande, aparecem insetos. Estamos sujeitos a doenças com todo esse lixo acumulado. Às vezes temos que mudar de sala ou ir embora por conta do mau cheiro, o que dificulta e atrasa o nosso aprendizado”, disse a estudante.

Diretora da escola há 10 anos, Marli da Paz contou sobre as dificuldades encontradas pela escola, mas acredita que deram o pontapé inicial para a resolução do problema.  “É muito sério o que a escola já enfrenta há algum tempo. Já tentamos mobilizar a comunidade de todas as formas, mas tivemos uma resistência muito grande. Temos que fazer a dedetização constantemente, porque aparecem ratos e insetos que podem contaminar a merenda que fica estocada. O Programa Lagoas do Norte nos ofereceu ajuda, nos propôs um projeto. A escola abraçou e estamos juntos nisso. Tenho certeza que aos poucos vamos eliminar esse lixão”, concluiu.

Ministro das Cidades assina ordem para construção de unidades habitacionais na zona Norte

O Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, assinou na noite desta sexta-feira (14), no Palácio da Cidade, a ordem de serviço para construção de um residencial no Parque Brasil. A obra, que irá receber principalmente famílias reassentadas pelas intervenções do Programa Lagoas do Norte, está orçada em R$ 117 milhões, irá contar com 1.022 unidades habitacionais e se destaca por características inovadoras na urbanização. A construção começa na próxima segunda-feira (17) após a assinatura do documento.

Créditos: Renato Bezerra / PMT

“São unidades habitacionais preferencialmente destinadas para as famílias que vivem em áreas de risco na Zona Norte de Teresina, nas margens das lagoas, nas beiras dos rios, etc. É uma obra importante para que nós possamos garantir habitação de qualidade para essas famílias. É um residencial inovador no desenho urbanístico, com infraestrutura social e espaço para atividades econômicas. Não tenho dúvida que será o mais belo residencial do Minha Casa Minha Vida construído em Teresina”, afirmou o prefeito Firmino Filho.

Do total de R$ 117 milhões, R$ 80 milhões são financiados pela Caixa, enquanto a Prefeitura entra com uma contrapartida de R$ 37 mi, dos quais R$ 3 mi serão em forma de serviços, como asfaltamento. Durante o evento, o Ministro Alexandre Baldy elogiou o projeto do residencial e citou o Programa Lagoas do Norte como um exemplo a ser seguido.

Créditos: Renato Bezerra / PMT

“Esse projeto, além de urbanizar, requalificar e dar condições de saúde com saneamento básico, vai dar dignidade com moradia de qualidade em uma região que estava profundamente comprometida. A Prefeitura de Teresina, através do Programa Lagoas do Norte, tem se tornado um exemplo que o governo federal mostra para vários outros municípios. Uma área que sofria com diversas enchentes e agora a população vai ter uma área recuperada e com moradias de um bairro com extrema qualidade”, disse o ministro.

O residencial receberá famílias reassentadas pelo Programa Lagoas do Norte e está localizado a apenas quatro quilômetros de distância das regiões que receberam intervenções e terá uma área de aproximadamente 250 mil m². Com o projeto desenvolvido em parceria pela equipe do Programa Lagoas do Norte e do Banco Mundial, este residencial terá características que o diferenciam dos demais projetos do Minha Casa Minha Vida, como uma maior preocupação com a urbanização, calçadas de acordo com a lei de acessibilidade, quadras desenhadas para facilitar o acesso ao transporte público, entre outras.

Créditos: Renato Bezerra / PMT

“Este é um projeto que se destaca entre os demais financiados pela Caixa, por ter uma preocupação especial com essa questão urbanística. Será um residencial misto, com apartamentos para as famílias menores e casas preferencialmente para as maiores, além de pontos comerciais para quem já desenvolvia atividades de comércio na antiga moradia. É um projeto cotado para receber prêmios”, finalizou o diretor geral do PLN, Márcio Sampaio.

Agenda Teresina 2030 abre maratona de urbanismo Metahackaton

Foi aberto na manhã desta quinta-feira (13) o Metahackaton, um evento que reúne estudantes de áreas afins ao urbanismo em uma maratona para desenvolver ferramentas que possam ser utilizadas na cidade. A iniciativa, organizada pela Agenda Teresina 2030, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), se estende até o próximo sábado (15), com visitas e palestras sobre diferentes temas relacionados à administração pública e urbanismo. Ao fim dos três dias, as equipes ou participantes individuais deverão apresentar o esboço de uma ideia de ferramenta, que será mais elaborada com um projeto, que será analisado pela equipe da Agenda 2030, que apontará o projeto vencedor.

O Metahackaton começou às 8h30, no pátio do Palácio da Cidade, com um momento de apresentação dos participantes e das ideias que norteariam o evento nos próximos dias. Em seguida, os estudantes fizeram um tour pela Secretaria de Planejamento conhecendo os diversos setores, suas funções e os desafios para colocar em prática as ações que são planejadas.

Para Flávia Maia, coordenadora de Sustentabilidade de Resiliência da Agenda Teresina 2030, este momento foi importante para passar aos estudantes a mensagem pretendida pelo evento de reforçar o que está sendo chamado de “urbanismo real”, que além das boas ideias na teoria precisa também se mostrar viável e resistir aos problemas que podem surgir no decorrer da implantação.

“Esses estudantes vão entender com a gente o que é o urbanismo na prática, que vai muito além do uso de tecnologia para resolver problema urbano. O urbanismo em que a gente entende desde o começo do problema, como que a gente delimita esse problema e os desafios enfrentados para a solução. Todo o processo que passa desde você ter uma ideia na cabeça até transformar em realidade. Esse é o espírito da Hackaton esse ano”, explica.

Para Mylla Gomes, estudante de publicidade, esse primeiro momento foi importante para oferecer uma visão diferente dos problemas do urbanismo, questões mais práticas que às vezes ficam de lado dentro das salas de aula.

“Acredito que é uma iniciativa muito válida em que a gente consegue incluir diferentes realidades e perspectivas para pensar em como viver a cidade de uma maneira mais inteligente e participativa, onde as pessoas possam se engajar e ter qualidade de vida”, disse.

O evento se estende por toda a quinta e sexta-feira, além da manhã de sábado, quando os participantes deverão apresentar suas ideias. Na tarde desta quinta, os estudantes assistirão palestras sobre desafios para viabilização e materialização de projetos, e na sexta pela manhã aprenderão sobre urbanismo tático.

Equipe do Colab explica uso do aplicativo para idosos na zona Sudeste

Na manhã desta quinta-feira (13), a secretária Municipal de Planejamento e Coordenação, por meio da Agenda Teresina 2030, e a equipe do Colab realizaram a divulgação do aplicativo para pessoas da terceira idade do grupo Amizade Renovada, do CRAS Sudeste II, localizado no bairro Tancredo Neves. O objetivo é incluir essas pessoas para que possam, de maneira mais simples, ter um contato direto com a Prefeitura para a resolução de problemas estruturais no bairro.

Levar o Colab para esse grupo de idosos faz parte de uma série de atividades realizadas pela Agenda Teresina 2030 no projeto de mapeamento de memória afetiva. A ideia surgiu para incluir pessoas da terceira idade na plataforma digital, ressaltando a importância ao acesso das tecnologias e informando sobre os acessos facilitados pela Prefeitura.

“Nós recebemos o convite da Agenda Teresina 2030 para falar com esse grupo de idosos, e é muito interessante porque é uma forma de inclusão. Percebemos que no grupo poucas pessoas tinham celular e sabemos o quanto é importante que elas conheçam um pouco mais de tecnologia para levar informação para a família e amigos, sendo também multiplicadoras do Colab”, destacou Dalila Ramalho, coordenadora de operações do Colab.

Conceição Azevedo, de 74 anos, garante que vai ficar mais atenta ao mundo digital, assim vai compartilhar a facilidade da plataforma Colab. “Eu gostei muito do que vi aqui. Tudo que é para melhorar a nossa cidade é sempre bem vindo. Hoje a gente vive no meio da tecnologia, é tudo muito atualizado. Vou passar as informações do aplicativo aos meus filhos porque eles possuem celular, assim podemos melhorar nosso bairro e nossa cidade”.

Atualmente a plataforma possui 10% dos usuários com 50 anos ou mais, com 13% das publicações feitas por pessoas dessa faixa etária, um número ainda baixo. “Acho que o contato com a população é um amadurecimento da Prefeitura no atendimento ao cidadão. Durante esse encontro as pessoas falaram dos problemas que impactam no dia a dia, mas quando trazemos soluções mais fáceis, elas entendem de uma melhor maneira, facilitando a resolução do problema destas pessoas”, disse Dayanna Kraieski, gestora do Colab na Semplan.

Entenda o Colab

O Colab é uma ferramenta utilizada pela população para comunicar os problemas do seu bairro ao poder público, criando uma ponte entre o cidadão e a Prefeitura, de forma que o cidadão possa colaborar mandando informações com fotos de problemas como buraco nas vias, imóveis abandonados, postes de iluminação com defeito, entre outras coisas que são recebidas pela ouvidoria da Prefeitura, e ao serem avaliadas, são encaminhadas para os órgãos responsáveis.

ONG visita Teresina para discutir melhorias no Plano Diretor

Representantes da organização civil WRI Brasil, que trabalha com desenvolvimento de cidades inteligentes e sustentáveis, estiveram em Teresina nos dois primeiros dias desta semana para auxiliar na revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial de Teresina, que vem sendo discutido pela prefeitura com diferentes representantes da sociedade. O objetivo é que o plano diretor ajude a construir um novo modelo de cidade, mais denso e conectado, proporcionando mais qualidade de vida para a população.

Durante as reuniões com a equipe técnica da secretaria executiva de planejamento urbano, vinculada à Secretaria de Planejamento e Coordenação (Semplan), foram discutidos vários pontos de destaque do PDOT, como o macrozoneamento urbano e a estratégia DOTS (Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável) que será utilizada em Teresina, buscando estimular o uso do transporte público.

“Nesses dois dias recebemos a ONG que vem ajudando no processo de revisão do Plano Diretor desde o ano passado. Eles escolheram Teresina para dar esse apoio técnico e institucional, principalmente porque escolhemos como eixo principal o DOTS. Fizemos ajustes na minuta de lei para melhor entendimento da estratégia para a população. Foi bastante proveitoso para conseguirmos uma minuta que leve a uma cidade melhor e mais sustentável”, conta a secretária executiva de planejamento urbano, Jhamille Almeida.

“A gente tem trabalhado com apoio na revisão de planos diretores no Brasil inteiro e isso é uma grande oportunidade de criar uma nova ereção de ramos diretores com cidades mais evoluídas do que a gente tem visto por aí, usando estratégias inovadoras. Teresina surgiu como uma grande parceira e tem alguns fatores favoráveis, como um prefeito mais esclarecido, com uma visão de cidade clara, uma equipe técnica e uma consultoria que garante uma troca de conhecimentos”, completa o gerente de desenvolvimento urbano da WRI, Henrique Evers.

Depois de elaborar uma primeira minuta de lei e manter reuniões periódicas com setores estratégicos para a revisão do PDOT, a prefeitura está recebendo sugestões até o próximo dia 30 através do email seplur.semplan@gmail.com. A partir daí as sugestões serão analisadas para a emissão de um relatório, com os motivos de cada proposta ter sido ou não acatada, antes da elaboração da versão final da minuta de lei.

Metahackaton: PMT inicia maratona de urbanismo com estudantes nesta quinta

A maratona metahackaton, promovida pela Prefeitura de Teresina, através da Semplan pela Agenda Teresina 2030, acontece a partir desta quinta (13) e vai até o próximo sábado (15). Trinta alunos de cursos relacionados a urbanismo foram selecionados para participar da maratona, que busca estimular o desenvolvimento de ferramentas que possam ser utilizadas para melhorar o aspecto urbanístico da cidade. A Agenda Teresina 2030 disponibilizou no seu Instagram (@Teresina_2030), a lista de confirmação dos participantes desta edição.

Hackathon é um movimento mundial que propõe que as pessoas entrem em competição em um modelo de maratona. Um tema específico é repassado aos participantes que, em determinado tempo, desenvolvem uma ferramenta de acordo com o que é pedido. Em Teresina, o desafio deste ano é desenvolver ideias para intervenções de urbanismo que podem ser implementadas na cidade.

Na quinta-feira, dia 13, a maratona acontece pela manhã e tarde na sede da prefeitura. Na sexta, 14, a metahackaton acontece pela manhã na Prefeitura de Teresina e a tarde ocorre o passeio de metrô, com embarque na estação “Engenheiro Alberto Silva” em destino à estação Parque da Cidadania. No sábado, 15, de 7 às 11 h, ocorre o encerramento da maratona, também no Parque da Cidadania. As propostas finais serão analisadas no prazo de 10 dias. A equipe vencedora levará um notebook como prêmio.

“Selecionamos 30 estudantes de urbanismo e áreas afins para percorrer os espaços da Prefeitura com a gente. Queremos mostrar o que significa o urbanismo real, que envolve todas as vertentes da construção da cidade.  O objetivo é fazer com que entendam o desafio dos servidores e conhecer tudo o que envolve transformar uma ideia em realidade”, destacou Leticia Meneses, colaboradora da Agenda Teresina 2030.

A Agenda 2030 também enviou um e-mail de confirmação de inscrição para cada um dos alunos selecionados. Caso o nome constado no Instagram @Teresina_2030 não tenha recebido o e-mail, entrar em contato pelo endereço eletrônico semplan.agenda2030@gmail.com.

Agenda Teresina 2030 inicia plantio de árvores após desafio sustentável

A equipe da Agenda 2030, acompanhada das participantes mais assíduas do desafio “30 dias pelo desenvolvimento sustentável”, iniciou nesta segunda-feira o plantio das árvores que representam um agradecimento a todos os participantes. As primeiras mudas foram plantadas no canteiro da Igreja de São Benedito, no Centro da cidade.

O desafio foi lançado nas redes sociais da Agenda Teresina 2030 durante o mês de agosto, como parte das comemorações do aniversário da cidade. Cada dia um novo desafio era lançado, e os participantes registravam nas suas próprias redes marcando o Instagram da Agenda ou com a hashtag #desafiothe2030. Ao fim do mês, cada participante terá uma árvore plantada na cidade, que será registrada em um mapa virtual com o seu nome, na plataforma Carto.

Uma das homenageadas nesta segunda foi a arquiteta e professora Ana Negreiros. A homenagem, no entanto, não será para ela mesma, mas servirá como uma lembrança ao pai, falecido.

“É o mínimo que eu posso fazer. Ele plantou muitas árvores pela cidade toda. Eu ia sempre com ele, mas ele faleceu e eu tenho lembrança dele em todo o lugar da cidade. São coisas que você não vai ter um retorno imediato. Não plantou para ele ter a sombra, mas para outras pessoas terem essa sombra. Eu acho que a sustentabilidade é isso também, você não faz só por você, mas por outras pessoas”, conta ela.

Ana também destacou a importância das atitudes promovidas pelos desafios que foram lançados, uma forma de fazer uma cidade melhor. “Eu achei interessante, porque eram atitudes simples, coisas que você faz no dia a dia. Não é algo que vem de cima para baixo, o que vai resolver, trazer a transformação, é a mudança de cada pessoa aos poucos. Eu gostei muito dessa ideia de você ter a sua responsabilidade. É uma mudança de hábito, não é nada difícil”.

Também arquiteta, Maria Thereza reforça a mensagem de Ana, e cita que o plantio das árvores ajuda Teresina a resgatar uma tradição que vem se perdendo. “Teresina tem uma história de ser cidade verde, mas está perdendo a essência dela. As pessoas estão querendo cada vez mais tirar as plantas e botar cobertura, mas isso é uma coisa que tem que ser mudada. E com o incentivo do desafio da Agenda Teresina 2030, a gente tenta melhorar um pouco nossa cidade”, afirma.

Coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa comemora os resultados alcançados com a ação desenvolvida no mês de aniversário da capital piauiense. “Acho que foi muito positivo. A gente teve uma resposta muito boa, cada pessoa que fazia o desafio tinha um efeito multiplicador nas suas próprias redes. E muitas pessoas comentaram com a gente, pediram a lista completa das práticas para usar no seu local de trabalho, etc. Então, mais do que vencer o desafio, a intenção era de propagar práticas de sustentabilidade que são simples, que a gente pode fazer e tem um impacto na nossa pegada de sustentabilidade”, diz Gabriela.

“Essas ações são importantes para despertar na população esse sentimento de que é responsabilidade de todos cuidar da nossa cidade”, finaliza o secretário municipal de planejamento e coordenação, José João Braga.

Servidores da Prefeitura passam por capacitação para utilizar ferramenta

Servidores da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) reuniram no auditório da Secretária Municipal de Finanças (SEMF) representantes de todas as secretarias municipais de Teresina para a apresentação da nova planilha de custeio e do sistema de monitoramento de obras que está disponível no SIMAPP (Sistema de Monitoramento de Apoio a Programas e Projetos). A ferramenta de gestão, criada pela Prefeitura de Teresina, tem o objetivo de facilitar os trabalhos operacionais dos órgãos gestores na parte orçamentária.

A planilha de custeio contém todos os gastos dos órgãos da prefeitura, exceto investimentos. O controle de custo já era realizado pelo órgão gestor. A opção pela implementação no SIMMAP, que é uma ferramenta mais avançada, se dá para facilitar o controle do custeio.

“Estamos aproveitando a estrutura da ferramenta SIMAPP para colocar a planilha de custeio online, facilitando as trocas de informações e podendo fazer a consulta de custeio dos órgãos. Isso é um benefício para o fluxo de trabalho interno entre a Semplan e os outros órgãos”, ressaltou Eduardo Speeden, coordenador de orçamento da Semplan.

O sistema de monitoramento de obras foi criado para se ter um melhor monitoramento com os gestores. A plataforma vai disponibilizar a localização, recursos gastos, origem dos recursos, quantidade, dentre outras informações necessárias para o gestor tomar decisões sobre determinada obra. Cada secretário tem seu gestor de monitoramento, que é responsável por monitorar que cada gerência cadastre suas obras e a planilha de custeio, além de ser uma ferramenta que vai ser utilizada diretamente com o prefeito.

“É uma ferramenta interna que facilita o aprimoramento e a transparência da gestão dentro das secretarias. É um sistema que torna mais fácil a comunicação e o direcionamento das decisões tomadas. Cada secretário tem acesso a evolução financeira e física das obras, e todas as informações necessárias para a obra estão dentro desta plataforma”, concluiu João Pedro Campelo, gestor de monitoramento da superintendência de desenvolvimento urbano (SDU) Leste.

Entenda o SIMAPP

O SIMAPP é uma plataforma digital que permite o monitoramento de cada órgão municipal no processo de inserção, acompanhamento e análise de resultados dos indicadores definidos para a gestão. O objetivo é dar ainda mais transparência à gestão da Prefeitura de Teresina. O aplicativo conta com novo layout e outras funcionalidades que facilitam o controle interno da administração municipal.