Prefeitura define ruas que receberão nomes de homenageados com projeto “Se Essa Rua Fosse Minha”

A Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) realizou na noite da última terça-feira o sorteio das vias que receberão os nomes dos homenageados do projeto cultural “Se Essa Rua Fosse Minha”, através do qual pessoas já falecidas terão os nomes batizando logradouros da cidade que ainda não foram nomeados. O sorteio aconteceu no auditório do Palácio da Música, no Centro de Teresina, e contou com a participação de mais de uma centena de familiares de pessoas que receberão as homenagens.

Com edital aberto no mês de julho, o projeto recebeu as inscrições através do site da SEMPLAN. Os amigos ou familiares eram responsáveis por inscrever os dados, uma minibiografia do futuro homenageado e escolher uma zona preferencial da cidade para a via em que a homenagem seria feita. No evento desta terça os sorteios foram realizados por zona e, conforme os nomes eram sorteados, os familiares recebiam um mapa mostrando onde se localiza a rua que receberá o nome do seu ente querido.

A secretária executiva de planejamento urbano da SEMPLAN, Jhamille Almeida, destacou a alegria das famílias conforme elas descobriam onde a homenagem seria feita. “É muito bom ver a reação destas pessoas, que se sentem realizadas em ver um ente querido sendo lembrado desta forma”, afirma. “A intenção deste projeto é justamente essa, fazer com que as pessoas se reconheçam e se sintam ligadas à história de Teresina”, completa o secretário municipal de planejamento, José João Braga.

Uma das pessoas que teve um familiar homenageado foi a administradora Gisleide Santos. Seu pai, taxista, era bastante conhecido na região do Saci e tinha uma ligação especial com Teresina. “A comunidade o chamava de Pai, pois era muito acolhedor e respeitado. Nasceu em Caxias, no Maranhão, e veio para Teresina muito jovem, onde cresceu e formou família. Ele era apaixonado pela cidade, adorava levar as pessoas nos pontos turísticos”, conta ela.

Dona Maria do Carmo Modesto, 77 anos, conseguiu homenagear o filho, falecido na década de 90 e que era apaixonado por Karatê. “Eu acho essa homenagem muito importante e justa, porque ele colaborou com a cidade. Formou o karatê didático aqui em Teresina para apresentações nas escolas, incentivando as crianças a exercerem a cidadania com educação e disciplina. É uma homenagem muito gratificante, fico muito contente”, diz ela.

Após a realização do sorteio, o projeto cultural “Se Essa Rua Fosse Minha” ainda terá uma última etapa, a solenidade de entrega das placas para os familiares. O evento acontecerá no dia 30 de agosto, no auditório Ypê da UNINOVAFAPI, fazendo parte da programação do aniversário de Teresina.

Prefeitura sorteia vias que receberão nomes de homenageados em projeto cultural

A Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) realizará nesta terça-feira (31), às 18h30, no Palácio da Música, o sorteio das vias que serão nomeadas pelo projeto cultural “Se essa rua fosse minha”. Os nomes virão de moradores da cidade que foram cadastrados e tiveram a biografia aprovada pelo projeto para serem homenageados.

O objetivo do projeto é reconhecer e valorizar pessoas que de alguma forma contribuíram para o desenvolvimento da cidade em determinada região. Os dados foram enviados pelas famílias e avaliados por uma comissão especial, formada por órgãos como a própria Secretaria de Planejamento, universidades e IBGE.

“Buscamos manter a identidade histórica de Teresina. Essas pessoas, muitas vezes, prestaram serviços essenciais de grande importância em suas comunidades, ajudando a construir uma cidade melhor”, ressalta a secretária executiva de Planejamento Urbano, Jhamille Almeida. “Este projeto é uma forma de aumentar a identificação das pessoas com a própria cidade, homenageando gente que ajuda Teresina a ser o que é”, afirma o secretário de planejamento, José João Braga.

Após o sorteio, será realizada a solenidade de entrega das placas com os nomes das ruas para as famílias dos homenageados. O evento acontecerá no dia 30/08, no Auditório Ypê, na UNINOVAFAPI, fazendo parte da programação do aniversário da cidade.

Semplan e Ouvidoria querem aumentar utilização do Colab

A Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (Semplan) participou da 13ª edição do Teresina em Ação, realizada no último sábado (28) na praça do mercado do bairro Dirceu II, na zona Sudeste de Teresina. No stand da Semplan, em parceria com a Ouvidoria de Teresina, os servidores explicaram para a população como utilizar o aplicativo Colab, uma ferramenta de comunicação em que a população pode mostrar os problemas da sua vizinhança para o poder público, encarregado de resolver as demandas. O objetivo é aumentar a utilização do aplicativo, a exemplo do que aconteceu na região da Santa Maria da Codipi.

Foi nesta região a primeira participação da equipe do Colab no Teresina em Ação, no mês de maio. O evento é uma forma de levar os serviços da Prefeitura para mais perto da população e foi identificado como uma oportunidade para tornar o aplicativo mais conhecido. Em dois meses, desde a participação no evento, a utilização quase dobrou, atingindo o mesmo número de participações dos cinco meses anteriores em 2018.

“Esperamos um aumento da participação da população. Hoje, a região Sudeste não nos envia muita demanda e nós temos percebidos que nos bairros em que participamos do Teresina em Ação, a população tem se manifestado mais na plataforma”, explica a gestora de monitoramento do Colab, Aurélia Araújo.

No total, a equipe fez 500 orientações na região do evento, divulgando o aplicativo e mostrando para a população no local como utilizá-lo. “Estamos apresentando para a população da região Sudeste essa ferramenta que é o Colab. O objetivo é reforçar essas explicações e pedir para que as pessoas baixem o aplicativo gratuitamente e assim possam colaborar com a gestão municipal, sinalizando os principais problemas que existem”, completa Aurélia.

Pelo Colab, as pessoas podem avisar aos órgãos competentes sobre problemas como buraco nas vias, imóveis abandonados e postes de iluminação com defeito, entre outras coisas, fornecendo fotografias, algumas informações e a localização do problema. Além disso, é possível se informar e opinar sobre possíveis cursos a serem oferecidos para a comunidade. O aplicativo é gratuito e disponível para aparelhos Android e IOs.

 

Colônia de Férias do Lagoas do Norte encerra com apresentações culturais

A sétima edição da Colônia de Férias do Parque Lagoas do Norte encerrou nesta sexta-feira, 27, depois de uma semana de muito lazer, cultura, diversão e aprendizado para as crianças. Com o tema “Lendas e Tradições, na batida do tambor”, o evento deste ano buscou levar para as crianças aprendizados sobre a cultura local, mesclados em meio às brincadeiras, atividades esportivas e conscientização ambiental. No encerramento, as crianças fizeram apresentações baseadas no que aprenderam e ensaiaram durante a semana.

O Boizinho do Lagoas foi o primeiro a se apresentar, com as crianças dançando uma entoada característica das apresentações de bumba-meu-boi, com uma letra que chamava a atenção para o cuidado com o meio ambiente e utilizava enfeites de material reciclado. Na sequência, foi a vez do grupo Naginga de capoeira mostrar o que ensinou para as crianças, que fizeram apresentações de capoeira e tocaram berimbaus feitos também com material reciclado.

A Colônia é organizada pela Prefeitura de Teresina, através do Programa Lagoas do Norte, vinculado à Secretaria de Planejamento. Iniciado no último domingo, o evento teve a participação de mais de 300 crianças e contou com várias atividades esportivas, como futebol, vôlei e handebol. Além disso, houve oficinas de reciclagem, contação de histórias, capoeira, espetáculo de boizinhos e palhaços, palestras e brincadeiras ensinando a preservar o meio ambiente.

O diretor do Parque Jorginei Morais, destacou o envolvimento e a aprovação da comunidade nas atividades. “Nossa proposta é fazer com que as crianças se divirtam ao mesmo tempo que aprendem sobre a nossa cultura. Os pais gostam, porque os filhos aprendem e se distraem durante o período das férias, enquanto a garotada gosta porque curte bastante com os nossos monitores”, afirma.

O secretário municipal de planejamento José João Braga, ressaltou a proposta do Programa Lagoas do Norte, que vai além das obras de urbanização e saneamento. “O PLN busca melhorar a qualidade de vida das pessoas desta região e o Parque tem um trabalho muito bem feito de envolvimento com a comunidade, proporcionando lazer e cultura através de eventos como este”, diz.

Moradora da região, Selma da Cruz inscreveu a filha Mara Beatriz, de oitos anos. Para ela, a participação na Colônia já é uma tradição. “Foi muito bom, ela se diverte bastante e não quer faltar nenhum dia. Está com três anos que ela participa e nós sempre gostamos muito”. Irmã de Selma, Célia também levou o filho Renan, de 12 anos. “Ele gosta muito de fazer esporte e aqui é um espaço seguro para ele fazer isso, além de que sai um pouco do celular”, completa.

 

Servidora da SEMPLAN desenvolve método para mensurar indicadores da ONU

Flávia Maia, coordenadora de sustentabilidade e resiliência da Agenda 2030 em Teresina, departamento vinculado à SEMPLAN, participou na última semana de um módulo do curso da Rede de liderança feminina da Universidade de Columbia, em Nova York. Na ocasião, ela e o seu grupo apresentaram um projeto que visa melhorar o monitoramento de indicadores dos objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) da Agenda 2030, com foco na equidade de gênero.

Flávia e colegas do Banco Central, da Controladoria Geral da União e da Prefeitura do Rio de Janeiro, trabalharam em cima da dificuldade dos governos locais e da ONU para acompanhar dados do ODS 5 — Equidade de Gênero, que faz parte do conjunto de 17 objetivos acordados pelos países membros das Nações Unidas, a serem alcançados até 2030.

O grupo está desenvolvendo uma solução para esta dificuldade, que tem impacto direto no desenvolvimento de políticas públicas. “O que a gente identificou, que é um problema de Teresina e todos os governos locais do Brasil, é uma dificuldade de coletar e monitorar dados que nos permitem alcançar um desenvolvimento mais sustentável e resiliente. Nossa proposta é uma metodologia de governança da informação, que permita aos servidores, mesmo em um cenário de poucos recursos, levantar dados, monitorar estes dados em conjunto com a população, e assim alcançar os objetivos do desenvolvimento sustentável”, conta Flávia.

Ainda em desenvolvimento, a metodologia busca utilizar a tecnologia como forma de ampliar a obtenção, monitoramento e divulgação de dados relacionados aos indicadores de equidade de gênero, através da criação de bancos e serviços de dados abertos. “Na região da América Latina e do Caribe, inclusive no Brasil, os governos locais não tem conseguido produzir indicadores suficientes, atualizados e com parâmetros comparáveis, que permitam a ONU monitorar o desenvolvimento sustentável. Quando colocamos a lente de “gênero” isso salta os olhos. Segundo o último relatório da ONU Mulheres, contados três anos da assinatura da Agenda 2030, ainda há uma significativa lacuna de gênero nos dados, em todo o mundo. O Brasil tem mais de seis mil municípios, a maioria com limitações técnicas e educacionais para monitorar esses indicadores. Então usar tecnologias digitais de baixo custo e que não exijam muita capacidade técnica é um passo importante”, explica a servidora.

O projeto deve ser apresentado até o fim do curso, em março de 2019, e o exemplo de Teresina servirá de roteiro para outras cidades de países em desenvolvimento que queiram replicar a metodologia e utilizar os softwares, que serão lançados em formato aberto.

A Universidade de Columbia selecionou e ofereceu uma bolsa de estudos para 20 servidoras públicas do Brasil das esferas municipais, estaduais e federais, com o objetivo de aperfeiçoamento nas suas diversas áreas de atuação. É uma forma de capacitar mulheres para participarem ainda mais ativamente na elaboração de políticas públicas. “A ideia é que ao longo de um ano essas mulheres se conectem e recebam treinamento em liderança, inovação, oratória, negociação, e consigam trazer o seu conhecimento para reproduzir na sua esfera de atuação profissional”, explica Flávia.

O Secretário municipal de Planejamento e Coordenação, José João Braga destaca o investimento feito pela Prefeitura de Teresina na capacitação de seus servidores. “Ao investir em quem trabalha nas rotinas diárias, a Prefeitura está investindo na melhoria do serviço público, o que se reflete diretamente na qualidade do que é oferecido à população”, finaliza.

Agenda 2030

A Agenda 2030 é um acordo global assinado por todos os países membros da Organização das Nações Unidas que estabelece 17 objetivos de desenvolvimento sustentável para serem alcançados até o ano de 2030, como a equidade de gênero, a erradicação da pobreza, o desenvolvimento de cidades sustentáveis, redução das desigualdades, fome zero a agricultura sustentável, entre outros.

Teresina foi a primeira cidade do Brasil a criar um departamento especificamente voltado para cumprir a Agenda 2030, que combina estratégias de governo aberto e cidade inteligente, e auxilia as demais secretarias municipais, a iniciativa privada e a sociedade civil a desenvolverem suas ações de acordo com os objetivos determinado pela ONU.

 

Firmino Filho assina termo com a Caixa para construção de residencial na Zona Norte

A Prefeitura de Teresina assinou, no início da tarde desta quarta-feira (25), o Termo de Compromisso com a Caixa Econômica Federal para construção de um residencial no bairro Parque Brasil, que receberá as famílias reassentadas pelo Programa Lagoas do Norte (PLN). A obra, que está orçada em aproximadamente R$ 117 milhões, inclui a construção de 1.022 unidades habitacionais e a urbanização de toda a área.

Pelos termos assinados, a CEF financiará R$ 80 milhões para a construção do residencial, enquanto a Prefeitura de Teresina entrará com um aporte financeiro de R$ 34 milhões como contrapartida, além de mais R$ 3,5 milhões em forma de serviços na região, como asfaltamento.

O residencial receberá famílias reassentadas pelo Programa Lagoas do Norte e está localizado a apenas quatro quilômetros de distância das regiões que receberam intervenções e terá uma área de aproximadamente 250 mil m². Com o projeto desenvolvido em parceria pela equipe do Programa Lagoas do Norte e do Banco Mundial, este residencial terá características que o diferenciam dos demais projetos do MCMV, como uma maior preocupação com a urbanização, calçadas de acordo com a lei de acessibilidade, quadras desenhadas para facilitar o acesso ao transporte público, entre outras.

“Esse residencial será feito de uma forma inovadora, com desenho urbano extremamente qualificado e não tenho a menor dúvida que será um referencial para a construção de novos residenciais na nossa cidade”, afirmou o prefeito Firmino Filho durante a solenidade de assinatura do termo.

“A construção desse residencial busca acolher famílias que hoje vivem às margens dos rios, das lagoas, ou em áreas irregulares, em condições insalubres. Portanto, a construção desse conjunto vai nos permitir avançar nas intervenções da segunda fase do Programa Lagoas do Norte”, completou o prefeito.

Secretário municipal de Planejamento e Coordenação, pasta na qual está vinculado o PLN, José João Braga, falou sobre a importância da parceria com a Caixa para o financiamento desta obra. “A Caixa está financiando estes R$ 80 milhões para a Prefeitura de Teresina iniciar esta obra que vai oferecer melhor qualidade de vida para famílias daquela região, que é o grande objetivo do Programa Lagoas do Norte”, afirmou.

Márcio Sampaio, diretor geral do PLN, destacou a qualidade da obra, que permitirá um reassentamento que leve em conta também a qualidade de vida das famílias e as suas atividades econômicas. “Será um residencial bem diferenciado, com uma concepção nova. Será entregue com toda a parte de saneamento, pavimentação e acessibilidade, sendo uma das ofertas para as famílias reassentadas. Terá lotes de casas, algumas inclusive com área comercial para famílias que já tinham sua fonte de renda baseada no comércio, e também apartamentos para as famílias menores”, explicou.

Outros convênios

Na mesma solenidade, o prefeito Firmino Filho assinou outros dois contratos de repasse com a Caixa Econômica Federal. O primeiro, de aproximadamente R$ 220 mil, são originários de uma emenda do Senador Elmano Férrer, através do Ministério do Turismo, para a construção de um píer na Ponte Estaiada. O outro contrato, no valor de R$ 460 mil, é de uma emenda do deputado Átila Lira, através do Ministério das Cidades, para pavimentação de ruas na Zona Leste.

Rua no bairro Cristo Rei leva nome de mecânico inventor

Créditos: Arquivo Pessoal

O Projeto Cultural “Se Essa Rua Fosse Minha”, iniciativa da Prefeitura de Teresina através da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (Semplan), homenageou centenas de pessoas nos últimos anos nomeando vias públicas que ainda estavam sem nome na capital. Uma destas pessoas foi Antônio Valdônio de Araújo, conhecido como mecânico Lilio. Cearense, veio para o Piauí ainda criança e se instalou no bairro Cristo Rei, onde vivia da sua oficina mecânica. Lá, além de consertar carros, fazia diversos inventos que lhe renderam o apelido de Professor Pardal. Lúcia de Araújo, viúva de Lilio, lembra do esposo com grande carinho, e acredita que não haveria forma melhor de homenageá-lo.

Antônio trabalhou durante 45 anos como mecânico. Ficou conhecido como Professor Pardal pelas inúmeras invenções que criou. Além de um triciclo, fez equipamentos de uso na sua oficina mecânica e para sua família, como armador de rede portátil, mesa giratória, andador para os netos, e, para sua diversão, criou suas próprias caixas de som e máquinas de moer, filtrar e engarrafar a produção da sua cajuína.

“Toda família ficou muito feliz com a homenagem. Ficamos sabendo do concurso através da televisão. Minha filha, Danyerika Araújo, fez toda a bibliografia, separou fotos e enviou para o site. Acompanhamos a votação e mobilizamos toda a família para votar, inclusive de outros estados. Quando recebemos a placa da rua com o nome dele, fomos mais de 25 pessoas para prestigiar. Veio parente até de Redenção do Pará, pois ele era muito querido. Foi muito gratificante ter o nome dele eternizado em uma rua. Foi prestigiado no lugar onde viveu e ficamos muito felizes com isso”, destacou Lúcia.

Dona Lúcia ressalta que o falecido esposo era muito conhecido pela sua competência e honestidade, e que hoje, busca tocar a oficina mecânica com os princípios deixados pelo esposo. “Eu e meu filho Júnior tomamos conta da empresa de auto mecânica, e buscamos fazer os serviços com a mesma responsabilidade e competência que meu esposo deixou. Buscamos sempre honrar o nome dele”, concluiu.

Jhamille Almeida, secretária executiva de Planejamento Urbano, ressalta que esse é o objetivo principal do projeto. “Nós queremos que as famílias se sintam homenageadas na cidade onde elas vivem, tendo reconhecimento pelas contribuições dadas para a comunidade”, afirma. “Esta é uma forma que a Prefeitura de Teresina encontrou para valorizar o cidadão teresinense”, completa o secretário de Planejamento e Coordenação, José João Braga.

O concurso “Se Essa Rua Fosse Minha” acontece anualmente com o objetivo de batizar vias de Teresina que ainda não foram nomeadas com nomes de pessoas que fizeram parte da história das comunidades da capital. Foram mais de 150 inscrições na edição 2018, que atualmente estão sob análise da Comissão de Avaliação.

Projeto “Se essa rua fosse minha” recebe mais de 150 inscrições na edição 2018

As inscrições para o encerramento do Projeto “Se essa rua fosse minha” se encerraram na última semana, com mais de 150 interessados em homenagear alguma pessoa querida utilizando seu nome para identificar ruas ainda não-nomeadas de Teresina. Atualmente a comissão de avalição do projeto, formada por órgãos como universidades, Secretaria de Planejamento Urbano e Coordenação (Semplan) e IBGE. está analisando as biografias inscritas e a lista final dos homenageados deve ser divulgada até a próxima sexta-feira.

No total foram realizadas 166 inscrições através do formulário disponibilizado no site da Semplan. Entre estas, 82 foram validadas na primeira reunião da comissão de avaliação, 38 foram invalidadas e 46 seguem sob análise. O sorteio das ruas para os nomes validados acontece dia 31 julho, no Palácio da Música.

As inscrições adiadas serão novamente avaliadas quando as biografias forem reenviadas com as correções solicitadas pela comissão, que analisa e seleciona os personagens que irão emprestar seus nomes aos logradouros públicos da capital piauiense. Os invalidados não pertenciam a Teresina ou, pelos critérios estabelecidos, não contribuíram para o desenvolvimento da cidade. Todos os nomes validados serão homenageados com placas simbólicas entregue as famílias.

“O concurso valoriza a preservação da identidade histórica e cultural de Teresina. Prestamos homenagens a pessoas que às vezes anonimamente entregaram trabalhos de grande importância em suas comunidades, ajudando a construir e desenvolver uma cidade melhor”, destacou a secretária executiva de Planejamento Urbano, Jhamille Almeida.

Criado em 2013 pela Prefeitura de Teresina, através da Secretaria de Planejamento e Coordenação (Semplan), o projeto “Se essa rua fosse minha” acontece anualmente com o objetivo de colocar nomes de pessoas que fizeram parte da história das comunidades em logradouros e ruas da capital, valorizando personalidades que contribuíram para o crescimento da cidade.

Parque Lagoas do Norte atrai centenas de pessoas com Encontro de Bois

O fim de semana no Parque Lagoas do Norte teve muita cultura e diversão com o 14º Encontro de Bois de Teresina, realizado no anfiteatro do parque nas noites de sábado e domingo. O evento foi realizado pela Prefeitura de Teresina, em uma parceria entre a Fundação Cultural Monsenhor Chaves e o Programa Lagoas do Norte. Centenas de pessoas que compareceram à festa, que além de divertir busca resgatar uma tradição nordestina.

Na noite de sábado, o evento começou com um arrastão da Quadrilha Chapadão do Corisco, que esteve fazendo uma homenagem aos bois Garantido e Caprichoso, de Parintins. O desfile saiu da Praça dos Orixás, até o anfiteatro, onde os demais bois se apresentaram. Na sequência, se apresentaram o Boi Precioso, o grupo Chacumboi, que resgata a tradição entre as crianças, o Boi Riso da Floresta, Boi Estrela D’alva e o Boi Estrela da Noite. O encerramento foi com o Forró pé de serra de Flávio Augusto.

No domingo, mais uma vez a Chapadão do Corisco abriu o evento, fazendo o anfiteatro viver um dia de Arena de Paritins, com cada lado torcendo por um dos bois. Dando continuidade, se apresentaram os bois Mimo de São Jorge, Mimo de Santa Cruz, Boi Dominante da Ilha e Boi Imperador da Ilha.

Diretor do Parque Lagoas do Norte, Jorginei Morais destaca que sediar o evento é uma forma de manter viva uma tradição muito forte na zona Norte da cidade, principal ponto da cultura de bois em Teresina. “É uma ótima parceria que estamos fazendo com a FCMC, resgatando a cultura desta região e atraindo a população para um espetáculo tão bonito como são as apresentações dos bois”, diz.

Organizador do Mimo de São Jorge, Luiz Carlos Coutinho elogiou o evento organizado pela prefeitura de Teresina. “É um belíssimo trabalho que a prefeitura de Teresina está realizando e que favorece todos os grupos de bois, dando valor à nossa cultura”, afirma.

A dona de casa Maria Ivoneide (52) mora nas imediações do parque e também elogiou o Encontro de Bois, algo que ela sente falta. “Antigamente era muito mais forte, sempre tinha e eu brincava também. Hoje os mais jovens não conhecem muito, por isso é bom esse evento para manter viva as nossas tradições que são tão bonitas”, finaliza.

Parque Lagoas do Norte inicia Colônia de Férias com Festival de Pipas

A manhã de domingo foi de muita alegria para crianças da Zona Norte de Teresina. O Parque Lagoas do Norte deu início à sétima edição de sua Colônia de Férias, e a principal atração deste fim de semana foi o Festival de Pipas, que atraiu crianças, jovens e adultos para brincar nas imediações do parque. Além disso, as crianças também tiveram acesso à várias brincadeiras, práticas esportivas e atividades culturais.

O Festival de Pipas começou por volta de 8 horas da manhã, e era aberto para toda a população, bastava chegar e se juntar aos outros para colorir o céu de Teresina. Clésio Trindade (36) levou o filho Clésio Jr. para brincar e aproveitou ele mesmo para matar as saudades dos tempos de infância. “Até os pais voltam no tempo, a gente brinca junto com os filhos, é bom recuperar as tradições”, conta.

Paralelo ao Festival de Pipas, começaram as outras atividades da Colônia de Férias, com práticas esportivas, brinquedos, teatro de bonecos, apresentações de capoeira e brincadeiras com o Palhaço Chocolate. “É uma boa oportunidade para as crianças interagirem, fazerem novos amigos e ocupa a mente deles brincando, que é o principal”, diz Francisca Fernandes (30), moradora da região.

A Colônia de Férias se estende até a próxima semana, incluindo também oficina de construção de objetos com material reciclado, como berimbaus e bois do espetáculo de Boi Bumbá, além de várias atividades esportivas como handebol de areia, atletismo, futebol, entre outras. “Nosso tema esse ano é ‘Lendas e tradições na batida do tambor’, para homenagear a percussão, a capoeira, o bumba-meu-boi, os terreiros e todas essas manifestações culturais a partir de um instrumento básico, que é o tambor, e trabalhamos isso também no aspecto ambiental”, explica o diretor do parque, Jorginei Morais.

José João Braga, secretário municipal de planejamento e coordenação, pasta da Prefeitura de Teresina responsável pelo Programa Lagoas do Norte, destaca a importância de ter atividades como essas no parque. “É uma forma de beneficiar as comunidades da região, que tem acesso a uma opção segura, saudável e educativa para o lazer das suas crianças no período de férias”, afirma.

As atividades da Colônia de Férias seguem acontecendo até a próxima sexta-feira, sempre entre às 16 e 18 horas.