Plantio de 300 mudas dão início a arborização do Parque Lagoa do Mocambinho

O Programa Lagoas do Norte (PLN), em parceria com a Coordenação de Arborização de Teresina, vinculada a Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro-Norte, iniciou na última quarta-feira (19), o plantio de 300 mudas nativas e frutíferas na área do Parque Lagoa do Mocambinho, obra que deverá ser inaugurada no início de 2019, na zona Norte da capital.

A ação faz parte do projeto paisagístico da obra, que contempla mudas nativas da região como Jenipapo, Ingarana, Ingá, Ipês (amarelo, branco, roxo e rósea), Gonçalo Alves, Oiticica, Acácia Azul, Jasmim laranja, Pau d’água, Flamboyanzinho, dentre outras espécies. O Parque ainda receberá o plantio de 50 mudas de Oiti, finalizando a arborização do local.

“A arborização promove uma série de mudanças significativas no local, como a melhoria do microclima, a preservação fauna e flora da região, conforto térmico por meio de sombreamento, além de melhorar o aspecto visual da cidade”, ressalta a bióloga do Programa Lagoas do Norte, Zelinda de Oliveira.

“Fizemos a recomposição da área com a arborização, que tornará o Parque ainda mais belo. Conseguiremos também combater a poluição, tanto do ar como sonora, assim como amenizar a temperatura, que é muito importante na cidade de Teresina. Manteremos a harmonia da natureza, sempre buscando tornar a cidade ainda mais verde”, concluiu Clóvis Freitas, coordenador de Arborização de Teresina.

Colab cresce mais de 30% em 2018 e chega a mais de oito mil usuários

O Colab, ferramenta que possibilita a população enviar os problemas estruturais da sua localidade na cidade de Teresina, teve um aumento de 1.917 novos usuários de janeiro a dezembro de 2018, contabilizando 8.007 usuários na capital piauiense. O crescimento, que representa pouco mais de 31% de usuários, se deu principalmente devido a um planejamento de divulgação do aplicativo, que aconteceu durante todo o ano.

“Consideramos o ano de 2018 como positivo para o Colab, pois implementamos um conjunto de ações de divulgação de acordo com o que foi planejado e conseguimos assim quase dois mil novos usuários”, disse Dayanna Kraieski, gestora do Colab na Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN).

O aplicativo registrou ainda 5.878 publicações, que são demandas enviadas pela população, 22.576 apoios, 3.784 comentários e 3.040 demandas resolvidas. As principais demandas enviadas são de buracos nas vias, estacionamentos irregulares, entulhos em calçadas e vias públicas e solicitação de limpeza urbana.

Segundo Dayana Kraieski, a meta para 2019 é continuar aumentando o número de usuários, além de implementar novas medidas para aumentar a resolutividade das demandas.

“Para o próximo ano temos como meta ampliar ainda mais o número de usuários e paralelamente instituir e implementar uma agenda de visitas às secretarias, visando melhorar a resolutividade das demandas, priorizando uma gestão participativa da plataforma com o objetivo de termos maiores resultados”, pontuou.

Colab

O Colab é uma ferramenta utilizada pela população para comunicar os problemas do seu bairro ao poder público, criando uma ponte entre o cidadão e a Prefeitura, de forma que o cidadão possa colaborar mandando informações com fotos de problemas como buraco nas vias, imóveis abandonados, postes de iluminação com defeito, entre outras coisas que são recebidas pela ouvidoria da Prefeitura. Ao serem avaliadas, essas demandas são encaminhadas para os órgãos responsáveis. O aplicativo está disponível para celulares Android e Iphone e o download é gratuito.

 

Agenda Teresina 2030 realiza capacitação sobre dados abertos para servidores

A Agenda Teresina 2030 encerrou nesta terça-feira (18) a capacitação de frente de dados com as secretarias da Prefeitura de Teresina. A iniciativa, que tem participação do Programa das Nações Unidas pelo Desenvolvimento (PNUD), tem como objetivo fazer um governo aberto, com os dados das secretarias alinhados aos indicadores e metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela ONU disponibilizados para a população através de plataformas digitais, tornando a gestão municipal mais transparente.

A proposta é para que em 2019 seja criada uma plataforma online para a inserção de dados pelas secretarias, a partir das taxas de indicadores como natalidade, mortalidade, população coberta por vacinação, nível de escolaridade, dentre outras, que estarão alinhadas as metas dos ODS. A ideia é que seja um portal interativo, que disponibilizará a visualização e download dos dados abertos do município para a população. O georreferenciamento, com os dados disponibilizados em forma de mapa, também será realizado e inserido na plataforma Carto.

“Tivemos gestores de todas as secretarias municipais presentes, traçando metas e objetivos para divulgação desses dados através dos avanços do município. Alinhamos e fizemos atividades também com os indicadores. Cada indicador vai ser eleito pela secretaria responsável, que vai saber qual ODS que se encaixa mais com sua demanda. Com esse alinhamento aos ODS, conseguiremos gerar banco de dados e colocar em formato aberto para a população de Teresina, buscando sempre maior transparência para a gestão municipal”, destacou Andressa Ívinna de Araújo, organizadora da capacitação e colaboradora da Agenda Teresina 2030.

“Toda e qualquer capacitação que gera diálogo interno em uma prefeitura municipal, que analisa como suas ações contribuem e monitoram os ODS, em uma profundidade de conteúdo que vi aqui, é muito positiva e é uma experiência que deve ser replicada em outras prefeituras. Temos todo um conjunto de trabalho direcionado para transparência, que para a gente é uma condição para a melhoria de gestão e para engajamento da sociedade civil. Toda a Agenda 2030 foi construída com essa ideia, de assumir compromissos, direcionar políticas e projetos e também monitorar e prestar contas, com a participação dos diversos setores da sociedade. Quanto mais ações deste tipo, melhor”, concluiu Ieva Lazareviciute, Assessora de Desenvolvimento Territorial do PNUD.

Prefeitura inicia trabalhos com Agência Francesa para implementação do Observatório da Mobilidade

Técnicos da Agenda Teresina 2030 e da Superintendência de Trânsito, acompanhados do Prefeito Firmino Filho, apresentaram na quinta-feira (13), no salão nobre da Prefeitura de Teresina, o sistema de transporte público da cidade para uma comitiva formada por representantes da Agência Francesa de Desenvolvimento e de duas ONGs especializadas em mobilidade sustentável. A visita faz parte da implementação do Observatório de Mobilidade Urbana, projeto teresinense que é financiado pela AFD e visa trazer mais transparência e eficiência para o transporte público da capital piauiense.

A AFD foi representada pela diretora Nathalie Yannic. Além dela, estiveram presentes Patricia Caldeiron, da ONG Despacio, e Clarrise Cunha Linke, do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), que irão prestar consultoria nesta fase do projeto. A apresentação marca o início dos trabalhos para implementação do observatório, superada a fase de discussões e planejamento. A equipe irá discutir detalhes do termo de referência para posterior licitação para tirar o projeto do papel. A iniciativa busca modernizar a gestão do transporte público em Teresina.

“É uma parceria que busca novos conhecimentos sobre mobilidade urbana para que nós possamos evoluir no enfrentamento dos desafios que estamos vivendo. A AFD tem um compromisso com a redução dos gases poluentes e a mudança do modelo de mobilidade urbana tem um papel importante nesse enfrentamento. Não tenho a menor dúvida que ao longo do tempo esses nossos contatos com essas entidades internacionais vão propiciar novos investimentos e tecnologias para que Teresina tenha acesso ao que está acontecendo no resto do mundo”, disse o prefeito Firmino Filho.

O Observatório da Mobilidade será uma plataforma que, utilizando a mesma tecnologia de encriptação de dados que as bitcoins, conhecida como Blockchain, irá gerar e disponibilizar indicadores do transporte público, como horários, atrasos, tempo de viagem, número de passageiros, etc. Assim, a ideia é que o sistema se torne mais transparente e eficiente.

“A gente teve antes uma fase de montagem de como seria e agora estamos com a consultoria para começar a implementar. É uma cooperação com a prefeitura para melhorar a gestão da operação do transporte público. Tivemos investimentos em infraestrutura, com a construção dos terminais, corredores, pontes e avenidas. Agora a gente quer melhorar a capacitação técnica da prefeitura, com mais qualidade na gestão”, explica a coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa.

O projeto foi um dos 16 escolhidos entre dezenas de iniciativas espalhadas pela América Latina para receber um financiamento de 500 mil euros da AFD. No Brasil, apenas Teresina e Santos foram escolhidas pelo Programa Euroclima + para receber esta verba. Após a seleção, os técnicos da Prefeitura de Teresina elaboraram o planejamento para implementação do projeto, que começa na prática agora, com o apoio das consultorias contratadas pela Agência Francesa.

“Essa é uma missão de começo de trabalho, avaliando os termos de referência que foram montados, o que será preciso contratar, etc. Vamos revisar indicadores, formas de coletas de dados que podem ajudar na melhora da operação, no diálogo com a população, entre outras coisas. Então estamos trazendo um apoio técnico para que Teresina possa avançar com essa agenda, finaliza Clarisse Cunha Linke, do ITDP.

PLN faz coleta nas lagoas para análise em parceria com Águas de Teresina

A Prefeitura de Teresina, através do Programa Lagoas do Norte (PLN) e em parceria com a Águas de Teresina, está realizando a coleta de água nas 12 lagoas da área de intervenção do programa, e também nos rios Parnaíba e Poti. A ação tem como objetivo monitorar a qualidade da água destes mananciais antes e após a implantação das obras de esgotamento sanitário que vêm sendo implantadas na zona Norte da capital.

Segundo Leonardo Madeira, diretor executivo do PLN, a parceria com a Águas de Teresina visa acompanhar a recuperação das lagoas a partir da implantação do sistema de esgotamento sanitário, mostrando os benefícios trazidos pelas intervenções.

“As coletas realizadas são de responsabilidade do PLN. Em seguida, encaminhamos as amostras para a Águas de Teresina, que faz as análises e devolve os dados para o PLN, que faz a interpretação e a tabulação desses dados a partir do cálculo dos índices de qualidade da água. É um índice adaptado à realidade brasileira, em que podemos acompanhar a evolução da recuperação desses mananciais a partir das intervenções do PLN. Desde o momento que se faz a coleta, a gente consegue observar a recuperação dessas lagoas”, disse.

As coletas e análises dos mananciais são realizadas a cada trimestre, pela Unidade de Projeto Socioambiental (UPS) do PLN, em parceria com a Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador – GEVISAST da Fundação Municipal de Saúde – FMS, e Águas de Teresina.

“O laboratório da Águas de Teresina prepara os recipientes e nos repassam os regentes e materiais necessários para o ato da coleta. Nós do PLN realizamos o transporte dos materiais e coletamos a água para distribuir nos frascos, além de coordenar os pontos de coleta e recolhimento de informações do aspecto físico da água com temperatura, cor e odor”, relatou  a bióloga do Programa Lagoas do Norte, Zelinda de Oliveira.

Lixão na Escola Municipal José Nelson de Carvalho é erradicado após intervenção do PLN

A Escola Municipal José Nelson de Carvalho, localizada no Parque Alvorada, zona Norte de Teresina, recebeu intervenções do Programa Lagoas do Norte (PLN) através do Projeto Saúde Sem Lixo. A escola vinha sofrendo com o depósito inadequado de lixo na lateral do prédio, ocasionando transtornos para alunos e funcionários. Alguns dias após a intervenção, o local se encontra limpo, permitindo que as atividades aconteçam sem interferências.

A diretora da escola, Marli da Paz, acredita que o problema finalmente foi solucionado, mas afirma que continuará trabalhando para conscientizar os alunos e a comunidade sobre a importância da destinação adequada do lixo.

“Nós já estamos com cerca de quinze dias que o lixo foi retirado da lateral da escola e, nesse período, já percebemos que aconteceram mudanças. Não sentimos mais o mau cheiro e a quantidade de insetos reduziu bastante dentro da escola. As pessoas não depositam mais lixo aqui, o que traz beneficio para todos. Acredito que dessa vez, com a parceria do Lagoas do Norte, conseguimos conscientizar a população e retomar as atividades da escola normalmente”, disse.

O PLN desenvolveu ações em várias etapas. Foram realizadas gincanas ambientais, palestra de sensibilização, roda de conversa com os pais e comunidade, plantio de mudas e a limpeza da rua, inibindo as pessoas de jogarem lixo na escola.

Thalisson Eliziares, aluno do 7º ano do ensino fundamental, diz que a limpeza do lixão está ajudando bastante para desempenhar suas atividades. “A limpeza foi muito foi muito boa. Agora não precisamos sair de sala no meio da aula por conta do mau cheiro. As atividades trazidas para escola só trouxeram coisa boas e ficamos muito felizes”, ressaltou.

“Estamos bastante lisonjeados pela resposta da comunidade do Parque Alvorada, próximo à Escola José Nelson, com a sensibilização para a erradicação do lixão. Hoje já não se encontra mais lixo no local. Temos certeza que problemas como esse se resolvem assim, com a parceria entre instituição e comunidade. Estamos organizando um mutirão para a construção da calçada na lateral da escola, além de estarmos observando e monitorando o que acontece no local. Esse é um projeto piloto que estamos desenvolvendo para ser realizado em outros locais. Temos 12 pontos de lixo que identificamos na zona Norte e que receberão a intervenção do Projeto Saúde Sem Lixo”, concluiu o diretor do Parque Lagoas do Norte, Jorgenei Moraes.

Projeto da Agenda Teresina 2030 é apresentado aos governos do Rio de Janeiro e São Paulo

Servidoras da Agenda Teresina 2030, departamento da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação ligado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, levaram o exemplo do Observatório de Mobilidade Urbana, que está sendo implantado na capital piauiense, para um fórum de mobilidade urbana, realizado no último fim de semana no Rio de Janeiro e em São Paulo, a convite da Agência Francesa de Desenvolvimento, financiadora do projeto teresinense.

O fórum “Transição para uma Mobilidade Inclusiva e a Construção de uma Nova Cultura Urbana no Brasil” foi organizado pela agência em parceria com os estados do Rio de Janeiro, onde Teresina foi representada pela especialista em sustentabilidade e resiliência da Agenda Teresina 2030, Flávia Maia, e pela representante da Superintendência de Trânsito, Cíntia Bartz; e São Paulo, que teve a participação da coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa. Nos dois eventos foram discutidas várias questões relacionadas à mobilidade no país e as representantes teresinense foram convidadas para participar do painel sobre gestão e tarifação dos transportes urbanos, falando sobre o Observatório de Mobilidade Urbana que está sendo implantado na cidade.

O projeto prevê a formação de um comitê de observação, que terá acesso a diversos dados e relatórios sobre a operação do sistema de transportes utilizando a tecnologia de encriptação de dados conhecida como Blockchain. A intenção é tornar o sistema mais eficiente e mais atrativo para o usuário, fazendo com que seja mais interessante usar o transporte coletivo ao invés do veículo próprio, reduzindo o número de carros nas ruas e, consequentemente, a emissão de gases poluentes. A iniciativa receberá um investimento de 500 mil Euros da Agência Francesa de Desenvolvimento, que está apresentando o projeto para outras capitais como um possível modelo a ser copiado.

“É muito bom receber da agência esse reconhecimento, considerando um projeto que ainda está em fase de implantação como uma boa iniciativa para ser replicada. Os desafios para a qualidade no transporte público são grandes em todo o país, e Teresina está sendo pioneira ao utilizar a tecnologia Blockchain como uma forma de aumentar a qualidade no serviço, gerando um aumento na demanda e um benefício também na qualidade do ar”, explica Gabriela Uchôa, coordenadora da Agenda Teresina 2030 em Teresina.

O Observatório da Mobilidade foi elaborado pela equipe da Agenda Teresina 2030, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, em parceria com a Superintendência de Trânsito. A Agência Francesa escolheu a iniciativa de Teresina entre projetos de toda a América Latina.

Equipe ambiental do Programa Lagoas do Norte resgata cágados no São Joaquim

A equipe monitoramento ambiental do Programa Lagoas do Norte intensificou as atividades diárias por causa do período chuvoso que se instalou em Teresina. Na última segunda-feira (10), foram resgatados sete cágados de barbicha que atravessam as vias nas margens das lagoas e corriam risco de serem atropelados.

O período coincide o com o nascimento destes animais, que aproveitam as cheias das lagoas para saírem para as margens e vias próximas. De acordo com a bióloga e educadora ambiental do Programa Lagoas do Norte, Zelinda de Oliveira, os animais não conseguem retornar ao ambiente natural e correm o risco de atropelamento.

“É importante que os condutores de veículos redobrem a atenção ao trafegar nas ruas e avenidas que margeiam as lagoas da região da zona Norte de Teresina, onde os cágados fazem travessias frequentes. Esse trabalho de recuperação é feito diariamente e continuaremos fazendo todo o possível para manter os cágados em segurança e em seu ambiente natural”, diz ela.

Os animais resgatados foram levados de volta à lagoa em segurança.

Coordenadora da Agenda Teresina 2030 participa de painel sobre equidade de gênero

O programa Agenda Teresina 2030, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação, integrou o Fórum “Enfrentando o viés de gênero”, organizado pelo Fórum Global de Liderança Feminina, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro neste final de semana. A coordenadora Flávia Maia foi convidada para mediar o painel de desenvolvimento sustentável e equidade de gênero

O evento fez parte do encerramento do curso da Rede de Liderança Feminina da Universidade de Columbia, do qual Flávia fez parte. O objetivo do Fórum é entender os impactos do viés de gênero em diferentes dinâmicas sociais, focando especialmente na educação, tecnologia e desenvolvimento sustentável. Questões de gênero estão intrínsecas, muitas vezes de forma quase imperceptível, nos ambientes de trabalho e na vida em geral, o que leva a um baixo número de mulheres em posição de liderança.

“As mulheres estão entre os grupos mais afetados pelos modos de vida não-sustentáveis. 70% da população vivendo em condição de pobreza no mundo é composta de mulheres e meninas, e a pobreza tem um efeito multiplicador sobre as vulnerabilidades, tornando-as mais suscetíveis a doenças, gravidez na adolescência, evasão escolar, entre outros problemas”, afirma Flávia.

Flávia Maia foi uma das 20 brasileiras escolhidas para participar da primeira turma do programa Columbia Women’s Leadership Network in Brazil, da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. O Columbia Global Centers é um treinamento dedicado à gestão de pessoas no serviço público, que passa pelo aperfeiçoamento técnico, discussão de temas estratégicos e construção de redes, reunindo profissionais das diversas áreas da administração pública com perfil de liderança.

Agenda 2030

A Prefeitura de Teresina, ainda em 2015, foi uma das primeiras do país a estabelecer um departamento específico para buscar o cumprimento dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável estabelecidos pela ONU para o ano de 2030. Foi assim que surgiu a Agenda Teresina 2030.

Entre as ações concluídas ou em andamento, o objetivo da construção de uma cidade e comunidades sustentáveis tem tido mais relevância, com 23,8% das ações. Um exemplo de medida tomada neste sentido é a revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT) que visa modificar a ocupação da capital piauiense, favorecendo a concentração de pessoas em zonas estruturadas e o uso do transporte público.

Árvore de natal do Parque Lagoas do Norte será acesa no próximo dia 15

Árvore de Natal do Parque é tradição na Zona Norte

A árvore de natal do Parque lagoas do Norte será acesa no próximo dia 15, um sábado, na Lagoa do Cabrinha, próximo à Rua Mineral. A cerimônia de inauguração do artefato natalino contará com uma missa, celebrada pela Arquidiocese de Teresina, a partir das 18h, na Praça do Bicicletário, e logo após a árvore será acesa, acompanhada de uma queima de fogos. A celebração religiosa continua após a show pirotécnico, encerrando a noite de celebração natalina.

A comemoração de natal já é tradicional na programação do parque, que leva muitos fieis para compartilhar de um momento de espiritualidade. Após a acolhida dos visitantes, será rezado um terço organizado pelo grupo Terço dos Homens, da arquidiocese de Teresina. Em sequência, antes de iniciar a missa, acontece a inauguração da árvore de natal flutuante e a queima de fogos com um show pirotécnico que irá durar 5 minutos.

A árvore enfeitada é um dos símbolos do natal que chama a atenção e contagia pessoas com o espirito natalino. No Parque Lagoas do Norte, a árvore possui 16 metros de altura e será montada em uma balsa flutuante. Com sistema de iluminação de led, terá 12 movimentos e troca de cores. A parte principal da árvore terá um tom dourado.

“Já é o quarto ano que realizamos a missa de natal aqui no Parque Lagoas do Norte, que virou uma tradição para nós e para comunidade. É um momento de espiritualidade, de conexão e de reflexão. Estaremos recebendo a todos para mais um lindo evento que será realizado no Parque”, destacou Jorgenei Moraes, diretor do Parque Lagoas do Norte.Árvore de natal do Parque Lagoas do Norte será acesa no próximo dia 15