Créditos: Gabriel Paulino

A Agenda Teresina 2030, órgão da secretaria municipal de planejamento e coordenação (SEMPLAN), que busca levar a Prefeitura a alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU, levou ao segundo dia do Congresso das Cidades uma palestra com o tema “Ação Climática no Extremo do Clima Quente”. A apresentação teve como objetivo buscar a conscientização sobre a ciência climática, suas mudanças e consequências globais e mostrar as ações da Prefeitura de Teresina no combate a essas mudanças.

O primeiro momento da palestra foi de informação, mostrando dados da comunidade científica que comprovam que 97% da mudança climática global é causada pela ação humana. O segundo momento foi de expor Teresina como uma cidade sujeita a essas mudanças no clima por já ter vulnerabilidades ambientais, sociais e econômicas, mas que busca implementar ações para a redução e combate aos impactos causados.

Das ações encabeçadas pela Agenda Teresina 2030, foram citados projetos nas áreas de mobilidade, mudança do uso do solo, dados abertos e transparência, como o Observatório da Mobilidade, que utilizará a tecnologia Blockchain para compartilhar dados do transporte público, e a criação da plataforma de dados abertos, que disponibilizará dados da gestão municipal para a população de forma simples e acessível, dentre outros.

Mariana Fiuza, palestrante e especialista em Inovação da Gestão Pública na Agenda Teresina 2030, tira um saldo positivo da apresentação e ressalta a importância do cidadão para tornar a cidade sustentável e resiliente.

“A mensagem que deixamos para os que estavam na palestra e para os demais cidadãos da cidade é de que eles monitorem e fiscalizem as ações da gestão pública, para saber se de fato estamos caminhando rumo ao alcance dos ODS. Tivemos um saldo bastante positivo, as pessoas puderam conhecer um lado da Prefeitura que talvez desconhecessem, que é consciente dos riscos que corre, mas que também está se preparando para combatê-los e transformar a cidade em mais sustentável e resiliente para o futuro”, destacou.

Cíntia Nogueira, de 23 anos, é arquiteta e urbanista. Recém-chegada a Teresina, ela garante que sua visão sobre a cidade está mudando e que a palestra a fez enxergar o esforço da Prefeitura para o desenvolvimento da capital.

“Achei muito bom por parte da Prefeitura oferecer palestras e apresentar as possíveis soluções para os problemas da cidade. Pouco vemos essa discussão em outras cidades e é muito interessante o que a PMT está fazendo, pois traz informação de forma acessível para as pessoas, que são os principais agentes para que essa mudança possa acontecer. Minha visão sobre a cidade está mudando, cheguei há pouco tempo, mas já tenho enxergado coisas diferentes realizadas pela gestão pública. Vejo uma Prefeitura comprometida em trabalhar pontos importantes para o desenvolvimento da cidade”, concluiu.

Nesta quarta-feira (08), último dia do Congresso das cidades, a coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa, irá ministrar uma palestra sobre smart city nas cidades em desenvolvimento, mostrando como se pode pensar em cidades inteligentes fora dos países desenvolvidos, mostrando os exemplos de Teresina.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).