Mais do que modificar a paisagem no entorno das lagoas do Cabrinha e Lourival, na região dos bairros Matadouro e São Joaquim, o Parque Lagoas do Norte mudou a realidade da vida das pessoas que lá moravam antes das obras. Além da limpeza das lagoas e da revitalização da fauna e flora, essa construção englobou tudo que é relativo à melhoria de vida das pessoas: saneamento, saúde, cultura, religiosidade, educação, esporte, lazer e moradia digna. O Parque Lagoas do Norte está completando sete anos nesta sexta-feira (28) e vem acumulando experiências nessa convivência com as comunidades.

“Há sete anos eu morava em uma área de risco, eu morava a 30 metros de um bueiro a céu aberto. Na lateral da minha casa tinha um terreno baldio que era depósito de lixo diária e constantemente. Depois que o Programa Lagoas do Norte entrou na área, pegando minha casa como melhoria (habitacional), mudou totalmente a capacidade de visão do que a gente tinha antes e do que é hoje. Antes a gente passava nas ruas e sentia o preconceito de morar num lugar fedido, ao redor de mato, que escondia uma beleza extraordinária, que são duas lagoas lindas. Hoje, podemos falar que moramos na melhor área de Teresina”, relata Beronizia Gomes da Silva.

Como todas as concepções de projetos do Programa Lagoas do Norte, o parque tem uma estrutura linear em 7Km de extensão, composto por bicicletário, anfiteatro, quadra de areia, estação de transbordo, quadras poliesportivas, horta comunitária, Centro Municipal de Educação Infantil, pista de skate, estação elevatória, campo de futebol, Praça dos Orixás, Batalhão da Polícia Militar e sistema de vídeo monitoramento que auxilia na segurança da região.

“Os projetos desenvolvidos pelo Programa Lagoas do Norte tem como principal objetivo devolver à região as suas lagoas com todas as condições ambientais observadas para que elas sirvam às comunidades, sem perigo de alagamentos de casas ou de riscos à saúde das pessoas, e também garantir a qualidade de vida para as comunidades”, afirma Márcia Muniz, diretora geral do PLN.

Cerca de 80% da área do parque é composta por espelhos d’água, nas lagoas do Cabrinha e Lourival. A mata no entorno delas é formada por espécies típicas da região, como ipê e caneleiro. Já a fauna é diversificada, com espécies como cágado de barbicha, iguana, jacaré e capivara. Um trabalho intenso das educadoras ambientais do parque é realizado diariamente, tanto para tornar harmônica a convivência da população com essa natureza, como no sentido de acabar com o depósito irregular de lixo no local.

Foto: Renato Bezerra

Modalidades esportivas

Toda a estrutura do parque também foi projetada para estimular a prática esportiva. A população dispõe de espaços para atletismo, futebol de campo, futsal, handball, capoeira, tênis de mesa, yoga, ginástica, voleibol, skate, patins e caminhadas. Através de parcerias com a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Semel), são oferecidas aulas nesses espaços e a organização de competições.

Cursos e capacitações

O auditório do parque também oferece cursos, oficinas e workshops para capacitação das pessoas que moram na região de abrangência do Programa Lagoas do Norte. Com o financiamento do Banco Mundial, o programa tem executado diversas ações com o propósito de dar oportunidade de crescimento econômico a essas pessoas, principalmente incentivando o empreendedorismo e a emancipação financeira feminina.
Recentemente, numa parceria com a Fundação Wall Ferraz, o parque sediou um curso de aplicação de revestimento cerâmico e de pintura de parede, que teve significativa participação de mulheres.

Programação o ano todo

Todos os equipamentos que o parque abriga são utilizados pela população durante todo o ano. Para estimular esse uso, a administração do espaço organiza uma série de eventos, que já se configuram em um calendário anual. Como é o caso da Colônia de Férias, que acontece duas vezes ao ano, nas férias de julho e de janeiro. Há também as festas juninas, o réveillon, competições esportivas, dia das crianças, Semana Santa (Paixão de Cristo) e outras datas religiosas, eventos em parceria com os povos de terreiros e ações ambientais, como a soltura dos cágados de barbicha nas águas das lagoas, após passarem por tratamento.

“Aqui desenvolvemos várias ações sociodesportivas e ambientais, de relações comunitárias, ações que promovem o meio ambiente e o bem-estar. O parque tem uma importância muito grande para a concepção daquilo que pretendemos realizar ao longo dos 13 bairros que são atendidos pelo programa. Quando você vê o parque bem cuidado, pessoas fazendo suas caminhadas, participando das atividades, percebemos o quanto ele é importante para o contexto da cidade e para todos que moram na zona norte”, detalha Jorgenei Moraes, diretor do parque.

Foto: Renato Bezerra

Beleza

Além de todas as ações, programação e envolvimento da comunidade com as atividades propostas, o parque revela que a zona Norte de Teresina tem uma paisagem escondida, composta pelas 13 lagoas da região. As duas que compõem o parque passaram por um intenso programa de despoluição, de requalificação ambiental. O mesmo acontecerá com as demais lagoas ao longo da execução do PLN. A intenção é devolver a natureza à cidade, proporcionando mais qualidade ao meio ambiente e às pessoas.

“É o parque mais bonito de toda a cidade. Temos esporte, temos lazer, cultura, religião, tem zumba, atletismo. Então, como moradores, a gente só aplaude. Esse parque trouxe para todos nós essas duas lagoas lindas, que são o ouro do parque. A gente não tem mais o mau cheiro. Não é todo mundo que mora em Teresina e quando amanhece o dia e abre o portão de casa tem uma lagoa, uma pista de atletismo e ar puro”, ressalta a moradora Beronizia Gomes da Silva.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).