Os técnicos do Programa Lagoas do Norte reuniram-se, na tarde desta quinta-feira (26), com moradores e lideranças que residem nos bairros São Joaquim, Mafrense e Nova Brasília para tratar sobre o início das obras projetadas para a requalificação urbana e ambiental total da Lagoa do São Joaquim e parcial das lagoas dos Oleiros, Mazerine e Piçarreira. O evento aconteceu no Centro Comunitário da Paróquia do São Joaquim.

Nessa segunda fase, o Programa Lagoas do Norte tem garantidos R$ 20 milhões para serem investidos nesta obra. Esse recurso foi conseguido através de financiamento da Prefeitura de Teresina junto ao Banco Mundial. Ao todo, são 16,7 hectares de área de intervenção.

Os projetos contemplam a revitalização das lagoas e suas margens, estruturação da drenagem para evitar alagamentos, retirada do lixo, limpeza da lâmina d’água e implantação de parques lineares dotados de espaços para lazer e prática esportiva, urbanizando a região de forma integrada com a área já construída na primeira fase do programa, possibilitando, a preservação da fauna e da flora locais. Além disso, prevê ainda a melhoria da acessibilidade e mais segurança para a população.

“Os projetos do Lagoas do Norte tem como foco principal resolver os problemas de alagamentos nas suas áreas de abrangência, protegendo as pessoas, e devolver a essas lagoas sua capacidade de armazenamento de água. Estamos conversando com a comunidade sobre a nossa próxima obra, que pretendemos iniciar em breve, explicando que a empresa trabalhará com máquinas nas proximidades das casas e, por isso, é necessário ter cuidado com o trânsito, por exemplo. Tanto o programa quanto a empresa responsável pela obra estarão em contato direto com a comunidade durante toda a execução da obra”, destacou Márcia Muniz, diretora geral do Programa Lagoas do Norte.

A moradora Mayara Andrade Bezerra, que reside na rua Jim Borralho, compareceu à reunião acompanhada da mãe. “Sei tudo que vai acontecer. Já fui visitar a Lagoa do Mocambinho que o programa inaugurou agora e achei ótimo lá. Então, o que vai acontecer aqui para a nossa comunidade também é uma melhoria de vida. Minha casa vai ser afetada parcialmente, já deu tudo certo, fiz a negociação e já fui paga”, afirmou.

Além de informações detalhadas sobre as obras nas quatro lagoas, os técnicos repassaram também orientações à população sobre os possíveis transtornos que podem acontecer durante a execução dos serviços, como poeira, trânsito de máquinas pesadas e transporte de material de construção.

Ao todo, cerca de 100 moradores compareceram à reunião. Estiveram presentes ainda o secretário municipal de Planejamento e Coordenação, José João, membros do Comitê de Acompanhamento do PLN, o vereador Nilson Cavalcante, representantes do consórcio Gimma, responsável pela obra, e lideranças da região.

 

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).